Consumo, logo quero ser visto

É curioso perceber como o comportamento do consumidor muda a cada dia que passa. Antes, comprava-se sem opção de mercadorias, utilizavam-se as reais funções do produto. Tempos depois, várias opções do mesmo produto lotavam as prateleiras dos mercados, estimulando a era da diferenciação. Hoje, muitos estudiosos da terceira fase do consumo, afirmam que estamos vivendo a era do consumo pela felicidade. Compra-se pelo prazer, compra-se pela satisfação.

Mais do que antes, as marcas têm grande função na determinação da escolha dos produtos a serem consumidos. Por mais que as pessoas tenham se tornado independentes, e as funções e motivos de consumo tenham mudando uma coisa não mudou: o consumo está ligado à percepção do outro sobre quem usa essa ou aquela marca.

Uso nesse texto, um trecho de Carlos Drumond de Andrade que me inspirou, sobre o consumo, o escritor diz:

“Em minha calça está grudado um nome, que não é meu de batismo ou de cartório, um nome… estranho.

Meu lenço, meu lençol, meu chaveiro, minha gravata e cinto e escova e pente, meu copo, minha xícara, minha toalha de banho e sabonete, meu isso, meu aquilo, desde a cabeça ao bico dos sapatos, são mensagens, letras falantes, gritos visuais, ordens de uso, abuso, reincidências, costume, hábito, premência, indispensabilidade, e fazem de mim homem-anúncio itinerante, escravo da matéria anunciada.

Estou, estou na moda!”

O webconsumo – que tem sido foco dos meus textos – trouxe consigo uma característica que mais tem chamado atenção: a realização de um consumo prático e sem esforços. Por mais que esse consumo seja feito sem precisar sair de casa, as pessoas ainda não se libertaram do prazer de se sentirem reconhecidos e vistos por adquirirem determinada marca ou produto.

A sociedade “virtual “ de consumo tem se atualizado com relação à sua forma de comprar, mas nem toda a tecnologia crescente que ocupa cada vez mais espaço no mundo, foi capaz de anular a necessidade de comprar para se mostrar. Concordo que as pessoas estão cada vez mais interessadas em se sentirem bem e felizes, e isso muda também o comportamento dos consumidores. Mas não podemos negar também, que ser visto, reconhecido e admirado por vestir uma grande marca que estampa um produto, faz parte dessa felicidade… que na verdade, não sabemos até onde é real.

Compartilhe agora
divider-tags
Saiba mais sobre:

3 respostas

  1. É um fato, consumir e estar na moda faz parte da necessidade de socialização, uma questão básica nas mega tendências do marketing.

    Não é a toa que o marketing de boca a boca acaba sendo importante sobretudo nas mídias sociais.

    Convido a lerem 2 artigos:

    Marketing de Boca a Boca
    http://www.madraint.com/2010/marketing/marketing-de-boca-a-boca/

    Mídias Sociais – Confiança e Credibilidade
    http://www.madraint.com/2010/marketing/midias-sociais-confianca-e-credibilidade/

    abs//

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

Conheça o 4work Coworking, espaço de Coworking em Vila Velha, ES

O 4work coworking é um espaço de coworking com duas unidades no bairro Praia da Costa em Vila Velha/ES, com salas compartilhadas e privativas

Como fechar seus primeiros clientes de Social Media em tempo recorde

Sim, é possível fechar seus primeiros clientes de Social Media em tempo recorde.

Nicho lucrativo para prestar serviços de Marketing Digital e Social Media

Sem dúvidas esse é um dos melhores nichos para prestar serviços de Social Media e Marketing Digital