O uso das redes sociais no esporte

Até onde vai o limite de uso das redes sociais no esporte? A cada dia surgem novas polemicas pelo seu uso indevido, ou feito de cabeça quente no calor de provocações. Foram os casos recentes de Valdívia, que xingou torcedores adversários, e Alex Silva, que reclamou das declarações do presidente do SPFC e esbravejou via Twitter.

Em 2009, os jogadores da NBA foram proibidos de twittar algumas horas antes do jogo após Amare Stoudemire,Tyson Chandler e Rasheed Wallace twittarem do banco de reservas. Como fez Dunga e diversos outros treinadores na Copa 2010, que limitaram o uso das redes. O receio mais alegado era manter o foco na competição e não dar maiores detalhes dos bastidores da concentração.

Quem acompanhou toda polemica envolvendo Neymar e Dorival viu após o episódio uma clara mudança de postura do jogador em relação as redes. Neymar limitou-se a brincar com os seguidores e interagir com seus fãs e amigos.

O maior problema do seu uso por parte dos atletas é utilizá-la para reclamar ou xingar torcedores. Os problemas das equipes devem ser resolvidos internamente, externá-los pode desencadear uma desnecessária confusão, que pode levar a consequências graves fora dos limites do clube.

Sabemos que as redes sociais são fundamentais no relacionamento com torcedores, fãs, imprensa no geral, pois mostra o lado humano de muitos atletas que são cobrados por melhor desempenho diariamente. Quando se começa a misturar, problemas extra campo com dentro das quatro linhas, os atletas se perdem.

O último e mais polêmico caso ocorreu ontem na NFL. Rashard Mendenhall, running back do Pittsburgh Steelers, perdeu seu principal patrocinador, a fornecedora de material esportivo Champion, por se mostrar totalmente contrário a festa do povo norte americano em relação a morte de Bin Laden.

Ao twittar que “tinha dificuldades em acreditar que um avião poderia ter demolido um prédio”, ou “Que tipo de pessoa celebra a morte?”, Rashard não imaginaria que a Champion incentiva ações antiterroristas e as forças armadas do país. Além de perder o patrocínio, o atleta foi afastado temporariamente do Steelers.

Seria bacana que o profissional de assessoria de imprensa das equipes orientassem os atletas sobre quão positivas podem ser as redes sociais. Proibir ou limitar não é necessário, conscientizá-los dos benefícios que elas podem trazer, é o melhor caminho.

Fonte da Imagem: Twitter Rashard Mendenhall
Compartilhe agora
divider-tags
Saiba mais sobre:

Uma resposta

  1. Os clubes precisam orientar mesmo seus atletas. Mas nesse caso específico, o afastaram por não ser um jogador consagrado ou uma promessa. O jogador deve ter o direito de expressar a sua opinião. Mas também tem o lado do patrocinador: o jogador deve saber quem é o seu patrocinador, o que ele faz, as ações que ele apóia, etc. Se uma das partes entender que não condiz com as suas ideologias, não deve haver patrocínio. Por este motivo, o Raí, ex-jogador de futebol, seleciona muito bem seus patrocinadores. Ele rejeita cerca de 90% das ofertas que chegam a ele.

    Grande abraço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

Conheça o 4work Coworking, espaço de Coworking em Vila Velha, ES

O 4work coworking é um espaço de coworking com duas unidades no bairro Praia da Costa em Vila Velha/ES, com salas compartilhadas e privativas

Como fechar seus primeiros clientes de Social Media em tempo recorde

Sim, é possível fechar seus primeiros clientes de Social Media em tempo recorde.

Nicho lucrativo para prestar serviços de Marketing Digital e Social Media

Sem dúvidas esse é um dos melhores nichos para prestar serviços de Social Media e Marketing Digital